ANTÓNIO JOÃO CRUZ

Possui licenciatura em Química (1986) e doutoramento em Química Analítica (1993) pela Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, mas tem estado envolvido em actividades relacionadas com o Património Cultural desde 1977 – primeiro no âmbito da Arqueologia, depois da Conservação e Restauro. Entre 1992 e 1997 colaborou com o então Instituto José de Figueiredo.

Desde 1995, quando foi convidado para docente da Escola Superior de Conservação e Restauro, tem leccionado em diversos cursos de licenciatura, mestrado e doutoramento de Conservação e Restauro ou de áreas próximas desta. Actualmente é Professor Adjunto no Instituto Politécnico de Tomar e director do respectivo Mestrado em Conservação e Restauro. É membro integrado do Laboratório HERCULES. Interessa-se pelo estudo laboratorial das obras de arte, a história da Conservação e Restauro e os problemas da relação entre a Conservação e Restauro e as outras áreas do conhecimento. Em 2005 criou a revista “Conservar Património”, de que veio a ser director até 2019, tendo conseguido a sua indexação nas bases de dados “Scopus” e “Web of Science” e a sua entrada no 1.º quartil da plataforma “Scimago” (áreas de Conservação e de Museologia).

É autor de mais de uma centena de publicações, as quais, de uma forma geral, estão disponíveis na sua página pessoal.

BIENAL IBÉRICA DE PATRIMÓNIO CULTURAL - AR&PA 2019

OPINIÃO

COLUNISTAS

1/17

Um projecto

© 2021 Spira

Conteúdos redigidos de acordo com a antiga ortografia, excepto no caso de artigos de autor, nos quais este/a é livre de optar.