Buscar

Investigadores querem preservar antigas armadilhas de lobos



Uma equipa de investigadores do Departamento de Engenharia Civil da Escola de Engenharia da Universidade do Minho e da Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto, apoiada pelo Município de Arcos de Valdevez, iniciou o estudo dos fojos do lobo da Serra da Peneda, com o objectivo de conhecer este património vernáculo em pedra seca do Noroeste de Portugal e promover a sua preservação.


Os investigadores envolvidos no projecto referem que foram analisadas duas tipologias distintas de fojos (armadilhas muradas que serviam para capturar lobos), usadas pelas populações locais para gerir a presença do lobo no seu meio: "Com uma presença incontornável na paisagem, tanto o fojo da Cabrita como o fojo de Seida, ambos no concelho de Arcos de Valdevez, são exemplares de património vernáculo de elevado valor cultural tangível e intangível, sendo exemplos de inegável autenticidade e da identidade das comunidades locais e das suas práticas comunitárias na construção e gestão do território."


Os trabalhos realizados prenderam-se com a recolha de informação morfológica e tipológica das estruturas em estudo e do seu território envolvente, complementada com análises construtivas e ao seu estado de preservação. Foi ainda recolhida informação digital com vista à construção de modelos virtuais.

Segundo os investigadores, “o estudo destas estruturas permite compreender as estratégias de implantação no território e relação com as paisagens pastoris da alta montanha de Arcos de Valdevez, bem como a elevada flexibilidade” da técnica da alvenaria em junta seca, adaptação às condicionantes do território e às características do granito existente e elevada resiliência das estruturas resultantes”.


No futuro, serão desenvolvidos conteúdos em diversos formatos, capazes de contribuir para a divulgação do conhecimento daquele tipo de património, promovendo a sua preservação junto da comunidade local e dos diferentes públicos que visitam aquele território, inserido no Parque Nacional Peneda-Gerês, declarado como Reserva Mundial da Biosfera pela UNESCO.

A primeira fase do trabalho de campo decorreu nos dias 16 e 17 de Julho, tendo a equipa de investigação analisado duas tipologias distintas de fojos. A mesma equipa de investigação já desenvolveu, entre 2014 e 2016, um estudo sobre as brandas de Sistelo e estruturas pastoris em falsa cúpula, também no concelho de Arcos de Valdevez.


Fonte: Universidade do Minho


#NORTE #PATRIMÓNIOVERNACULAR #HISTÓRIA #LOBOS #INVESTIGAÇÃO #MINHO



BIENAL AR&PA 2019

OPINIÃO

1/16

Conteúdos redigidos de acordo com a antiga ortografia, excepto no caso de artigos de autor, nos quais este/a é livre de optar.