Buscar

Formas de dizer – performance dentro do museu


Da junção de duas coleções privadas tornadas públicas, do gosto de dois grandes colecionadores, Calouste Gulbenkian e Carl Jacobsen, surge uma exposição notável - Pose e variações-Escultura em Paris no tempo de Rodin, composta de 30 esculturas, 11 escultores, que nos apresenta a escultura francesa do séc.XIX. Uma exposição pensada e organizada em conjunto pela Fundação Calouste Gulbenkian e a Ny Carlsberg Glypotek de Copenhaga.

Da junção de duas vontades, serviço educativo do Museu Calouste Gulbenkian e professores e alunos da licenciatura em dança da Faculdade de Motricidade Humana, nasceu a primeira de duas performances a serem apresentadas neste espaço, realizada no passado domingo, 16 de dezembro.

No espaço de uma exposição de escultura, em que o corpo humano é o tema central, na cristalização fixa de uma pose, movimento ou gesto, surgem corpos outros que se mexem, respiram e dançam. Esculturas vivas que invadem o espaço e dialogam com as obras de artistas como Rodin, Carpeaux, Dalou e Degas.

Foram convidados 21 alunos do 2º ano para, no âmbito da disciplina de Práticas de expressão e comunicação 1, e com os seus professores, interpretarem e se relacionarem com esta exposição, terem parte das suas aulas no museu, complementadas com workshops dinamizados pelo serviço educativo, e que no final o resultado desta pesquisa e trabalho fosse uma performance, a apresentar na exposição. Assim surge a Formas de dizer.

Nasce de uma vontade de trabalhar novas leituras e vivências de um espaço museológico, de potenciar o museu como um espaço vivo e de diálogo, à espera de intervenientes, de conversas, de experiências.

Surge do diálogo entre a pose e a multiplicidade de possibilidades de movimento, surge do gesto que respira e se transforma, surge do espaço que se ocupa e habita, da obra de arte que se incorpora e do processo de criação artística a que estes jovens se entregaram.

Da obra parada e fixa, em mármore, gesso ou bronze nasceram movimentos, sensações, emoções, opiniões e afirmações.

Artistas vários ao longo dos tempos tentaram imprimir movimentos às suas obras, alguns conseguiram-no e aqui nesta exposição reúnem-se vários exemplos, encontramos entre as obras uma referência clara à dança na obra L’Amour à la folie, de Carpeaux, dança que é arte em movimento, multiplicidade, sequência, ritmo, repetição, alternância, simultaneidade, disrupção, pose, variações, características e propriedades de que os escultores se apropriaram como ferramentas de trabalho nas suas matérias.

A figura humana, que é tema constante nesta exposição, quer na sua faceta de inspiração na mitologia clássica quer nas abordagens da realidade ou intimidade, apresentada em 5 núcleos: ausência de pose, a figura acocorada, maternidade, figuras entrelaçadas, a figura de pé, foi inspiração e mote de trabalho para estes alunos que olharam para dentro de si mesmos à procura da forma e expressão ideal à semelhança da ideia de Miguel Ângelo de que a escultura já se encontra no bloco de pedra sobre o qual o escultor vai trabalhar, que está lá à espera de ser descoberta assim os alunos do FMH se lançaram nas suas pesquisas e explorações.

Criaram relações pessoais com as obras, fazendo-as habitar nos seus movimentos, tornando-as vivas, como no mito de Pigmaleão e Galateia em que a força de uma emoção convenceu os deuses a darem vida a uma escultura, assim as obras de arte se misturaram com os corpos dos bailarinos numa leitura mais plena, entre corpos vivos e corpos escultóricos.

Do momento inicial, em que se misturaram com o público como se fossem meros visitantes, à semelhança da obra que abre a exposição – Danaide de Rodin, que faz a passagem de escultura não revelada para as poses reveladas, segue-se um sinal sonoro que acorda os participantes e os lança num crescendo de explorações até ao último movimento, em que se voltam a desligar e a serem apenas público.

Desenharam no chão, o espaço imaginado de um plinto onde os seus corpos assumiram o papel de esculturas vivas, cariátides que sustentam o mundo em toda a sua imaginação e dançaram ao som de músicas que acrescentaram à exposição, paisagens sonoras para corpos acordados e em sintonia, que se desafiaram, complementaram, interagiram, se fundiram e se articularam conectando-se com o espaço.

Da tensão entre escultura e corpo apresenta-se-nos uma realidade inacabada e em reinvenção efémera que desvanece no tempo mas permanece nas memórias retendo os momentos em que dança, música e escultura partilharam o mesmo espaço.

O espaço da exposição encheu-se de público, música e performers. Da surpresa dos visitantes nasceu o encantamento e curiosidade, ao corpo dos bailarinos juntou-se a massa visual de todos os que nessa tarde assistiriam e fizeram parte deste acontecimento tornando o museu um espaço único, ocupado de uma vivência diferente e única onde por significantes momentos dança, música e escultura se tornaram uma única obra num mesmo espaço, proporcionando a todos os que assistiram uma experiência envolvente e uma nova relação com a exposição.

Este desafio criativo que junta escultura de poses humanas e dança terá no dia 13 de janeiro outra apresentação, desta vez serão os dos alunos de 3.º ano a apresentarem os resultados das suas pesquisas e trabalho sobre a mesma exposição, no contexto da disciplina de Oficina de dança. Com apresentações às 15h, 16h e 17h.

# OPINIÃO


BIENAL AR&PA 2019

OPINIÃO

1/16

Conteúdos redigidos de acordo com a antiga ortografia, excepto no caso de artigos de autor, nos quais este/a é livre de optar.