MIGUEL REGO

Licenciado em História, Variante de Arqueologia, pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto, completou os Estudios de Tercer Ciclo em Gestão do Património, na Universidad de Huelva. É atualmente funcionário da Direção Regional de Cultura do Alentejo. Ao longo de mais de 30 anos trabalhou em projectos de Arqueologia e Museologia desenvolvidos em Mértola, Noudar e Barrancos, Moura, Outurela (Oeiras), Mata da Machada (Barreiro) e Casa do Infante (Porto), para além de Mina de S. Domingos (Mértola), Santana de Cambas (Mértola) e S. Amador (Moura). Desenvolveu entre 2011 e 2017 o projecto Museu da Ruralidade-Museu do Território de Castro Verde. É sócio fundador do Campo Arqueológico de Mértola. Autor de cerca de duas dezenas de livros na área da História, do Património e da Poesia, é autor de cerca de uma centena de artigos de Arqueologia, Museologia, História e Património. Escreveu, entre outros, os livros: Mar de um tempo sem âncoras, prosa poética (2018); Memórias de uma mina, Rossio de S. Sebastião - Castro Verde (2013); casas do sul (edição bilingue português e árabe), prosa poética, em colaboração com Santiago Macias (fotografias) e Manuel Passinhas (desenhos) (2013); Imagens à volta da Feira de Castro, em colaboração com António Tito Figueira (fotografias) (2011); Máquinas, Objectos e Memórias da Ruralidade (2011); O sonho do João – A visita do Rei D. Manuel I a Castro Verde, banda desenhada, em colaboração com Joaquim Rosa, Castro Verde (2010); Castro Verde 1910, ano dois da República (2010); Encontros com Barrancos (1994).

BIENAL AR&PA 2019

OPINIÃO

1/16

Conteúdos redigidos de acordo com a antiga ortografia, excepto no caso de artigos de autor, nos quais este/a é livre de optar.