Buscar

CEARTE: Formar no Património e no Artesanato


A formação e a qualificação dos artesãos, artífices e técnicos para o património é uma aposta que o País precisa de consolidar e reforçar para maior contributo desta prática no desenvolvimento harmonioso do País.

O artesanato e o património são, de facto, hoje um importante recurso económico e cultural e um produto turístico de excelência que importa valorizar, levando a que a formação, a qualificação e a transmissão de conhecimentos assumam aqui um papel principal.

Foi nesse sentido que o CEARTE - Centro de Formação Profissional para o Artesanato e Património que, desde 1986, se distingue pelo trabalho na área do Artesanato, viu recentemente alargadas, como entidade pública, as suas competências de Formação à área do Património.

A intervenção do CEARTE na área do Património está sobretudo ligada ao património cultural imaterial – formação ao nível dos saberes, das competências no âmbito de processos e técnicas tradicionais, expressões artísticas e restauro. O Centro disponibiliza várias oportunidades de formação ligadas ao Património, cimentadas em parcerias estratégicas, destacando-se:

Cursos na área do Património Museografia e Gestão do Património, realizado em parceria com museus e que forma profissionais que executam acções conducentes ao estudo, inventariação, documentação, interpretação e organização de exposições, bem como acções de conservação preventiva das colecções de museus, centros de arte, monumentos, sítios arqueológicos ou parques naturais; Conservação e Restauro de Madeira - Escultura e Talha (Especialização Tecnológica, em parceria com o Instituto Politécnico de Tomar e o Departamento de História da Arte da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra), curso que tem uma forte componente científica e tecnológica e que forma técnicos especialistas que, integrados em equipas, efectuam diagnósticos, peritagens e intervenções em obras de arte. Ofícios de Arte - Cerâmica e Vidro (Especialização Tecnológica, em parceria com a Escola Superior de Artes e Design das Caldas Rainha), uma formação que visa responder às necessidades específicas das empresas artesanais do sector da Cerâmica e do Vidro, e que permite aos formandos desempenhar actividades altamente qualificadas em áreas tradicionais, mas com forte potencial inovador e criativo.

Formação nas profissões tradicionais e de conservação e valorização dos bens culturais

O CEARTE disponibiliza formação inicial ou de curta duração para profissões tradicionais nas mais diversas áreas do Artesanato e do Património, tais como Ceramistas, Costureiras Modistas, Artífices e Técnicos de Restauro, Tecedeiras, Bordadeiras, Marceneiros, Encadernadores ou Entalhadores.

Estas actividades e produções alicerçadas em saberes, muitas vezes ancestrais, são hoje vistas como um “património de futuro”, ao constituírem-se como saídas profissionais estimulantes e promissoras.

Formação para os colaboradores da DGPC

Na sequência do protocolo de colaboração recentemente estabelecido com a Direcção-Geral do Património Cultural (DGPC), o CEARTE passou a ser entidade acreditada para ministrar acções de formação dirigidas aos trabalhadores dos museus, monumentos e palácios tutelados por este organismo. A formação abrange áreas tão diversas como Atendimento ao Público, Gestão de Loja de Museu, Línguas (Francês, Inglês, Espanhol), Encadernação e Iniciação ao Restauro do Livro, Conservação e Valorização dos Bens Culturais.

Parcerias

Com abrangência nacional, o CEARTE realiza parcerias com mais de cem entidades, entre as quais universidades, museus ou associações de defesa do património, como o Departamento de Comunicação e Arte da Universidade de Aveiro, a Faculdade de Arquitectura de Lisboa, o Museu dos Coches, o Museu de Arte Antiga, o Museu Grão Vasco, o Museu Machado de Castro, o Museu de Aveiro, o Laboratório Hércules de Évora, entre outros.

CEARTE.pt

#PATRIMONIO #PATRIMÓNIOIMATERIAL #ARTETRADICIONAL #ARTESANATO #PRODUÇÃOARTESANAL #CURSOS #FORMAÇÃO

BIENAL AR&PA 2019

OPINIÃO

1/15

Conteúdos redigidos de acordo com a antiga ortografia, excepto no caso de artigos de autor, nos quais este/a é livre de optar.