Buscar

A Piscina e a Casa de Chá que poderão ser Património Mundial


“Todos os anos, nas marés vivas, o mar leva o que não é essencial. Naquele sítio, um maciço rochoso interrompe as três linhas paralelas: encontro do mar e do céu, da praia e do mar, longo muro de suporte da via marginal. Alguém pensou em proteger uma depressão desse maciço, utilizando-a como piscina de marés. Mas o Atlântico não é o Mediterrâneo, nem é simples construir uma piscina onde poucas se fazem…” Álvaro Siza Vieira, 1980.

A Piscina das Marés, em Matosinhos e a Casa de Chá da Boa Nova, em Leça da Palmeira são duas das obras do arquiteto Álvaro Siza que integram o conjunto proposto a Património Mundial. No entanto, o trabalho de Álvaro Siza Vieira encontra-se um pouco por todo o mundo como Espanha, Brasil, Coreia do Sul e Estados Unidos,

A primeira obra data de 1954. O seu trabalho, que inclui não só projetos de raiz mas, também, intervenções de recuperação de edifícios, é reconhecido tanto a nível nacional, como internacional através de prémios, publicações, condecorações, homenagens e culminando na possibilidade de reconhecimento maior de ser considerado Património Mundial.

Fontes: Observador, Público, Construção Magazine


BIENAL AR&PA 2019

OPINIÃO

1/15

Conteúdos redigidos de acordo com a antiga ortografia, excepto no caso de artigos de autor, nos quais este/a é livre de optar.