Buscar

Exposição "Pão, Carne e Água: Memórias de Lisboa Medieval"


24 Abril a 26 Julho | Arquivo Nacional da Torre do Tombo

A exposição “Pão, Carne e Água: Memórias de Lisboa Medieval”, patente no Arquivo Nacional da Torre do Tombo até 26 de Julho, é uma iniciativa conjunta do Arquivo Municipal de Lisboa e do Instituto de Estudos Medievais (FCSH-UNL) que conta com a coordenação científica de Amélia Aguiar Andrade e de Mário Farelo.

A exposição tem como objectivo dar a conhecer o rico património documental sobre a Idade Média, conservado pela Câmara Municipal de Lisboa, partindo de um projecto de investigação dotado de uma forte componente científica de pesquisa e levantamento de documentação sobre o tema. Pretende-se recuperar quotidianos associados ao abastecimento alimentar da cidade de Lisboa medieval tendo como protagonistas o pão, a carne e a água.

Nesta mostra, com entrada livre, poderão ser vistos vários documentos do Arquivo Municipal de Lisboa, assim como peças do Museu de Lisboa, do Castelo de São Jorge e do Centro de Arqueologia de Lisboa, do Museu de Metrologia, do Archivo Real y General de Navarra, e do Arquivo Nacional / Torre do Tombo, nomeadamente o pergaminho recentemente adquirido por aquela instituição via OLX.

No dia 30 de Maio, será lançado o catálogo da exposição, no âmbito de um colóquio subordinado ao mesmo tema que irá decorrer no Arquivo Nacional da Torre do Tombo.

Mais informações

Comer e beber em tempos medievais

«A alimentação medieval assentava num imaginário que valorizava o consumo de carne, alimento por excelência dos ricos, dos fortes e dos poderosos. Um alimento de prestígio, cuja privação constituía sinal de castigo, fraqueza e pobreza. Com o peixe, substituto preferencial da carne em dias magros, conotava-se a ideia de santidade, influenciada por uma cultura monástica que, como sublinha Iria Gonçalves, "assentava na valorização do peixe e dos legumes como alimentos inocentes, tanto para o corpo para a alma".

Dependendo o seu consumo dos gostos e capacidades económicas de cada um, somente o pão se tornava imprescindível na mesa medieval, porquanto servia de acompanhamento a praticamente todos os restantes alimentos. Na maior parte das vezes, o seu consumo acompanhava o do vinho. Nesta zona do globo, propícia à produção vinícola, o vinho constituía a bebida por excelência, acessível a todos, tanto tinto como branco, ainda que nem sempre de boa qualidade.

Complementado a tríade tradicional (pão, vinho, carne/peixe), a alimentação medieval ocidental caracterizava-se por um uso significativo de produtos vegetais, aproveitando os espaços existente nos campos e mesmo nas cidades em que se podiam cultivar diferentes produtos hortícolas, com a excepção da batata, introduzida na Europa somente no século XVI. Em paralelo, fazia parte da dieta medieval a fruta. Tal era o caso no reino de Portugal, como se depreende das inúmeras referências a árvores de frutos na documentação medieval portuguesa.

Condimentavam-se os pratos com gorduras e temperos. Se na mesa medieval se poderia encontrar com frequência o toucinho, cabia ao azeite o lugar incontestado de gordura por excelência da cozinha medieval portuguesa, relegando a manteiga para a confecção de pratos mais refinados. Nesses últimos poderiam igualmente participar as especiarias, reservadas pelo seu alto custo às gentes de posses. Assim, temperava-se com acidulantes como o agraço ou o vinagre e, menos frequentemente, com o limão. Em sentido contrário, adoçava-se sobretudo com mel, dado o preço exorbitante que o açúcar atingira no período medieval.

Mais do que simplesmente uma necessidade biológica primária, as escolhas alimentares efectuadas, pela disponibilidade e capacidade de aquisição dos produtos utilizados, acabavam por espelhar, afinal, o lugar ocupado por cada pessoa na sociedade.»

Texto de Mário Farelo

Imagens:

Iluminura com a representação de uma refeição (pormenor)

António de Holanda (atribuído), Séc. XVI (c.1517-1551) | Livro de Horas dito de D. Manuel I; Calendário (mês de Janeiro), Museu Nacional de Arte Antiga

Fotografia: José Pessoa - Direcção-Geral do Património Cultural / Arquivo de Documentação Fotográfica (DGPC/ADF)

Frigideira com cabo

Barro vermelho, Olarias lisboetas

Sécs. XV-XVI, Palácio do Governador

CSJ 1884, EGEAC – Castelo de S. Jorge

#ESTUDOSMEDIEVAIS #HISTÓRIA #ARQUIVO #EXPOSIÇÃO

BIENAL AR&PA 2019

OPINIÃO

1/15

Conteúdos redigidos de acordo com a antiga ortografia, excepto no caso de artigos de autor, nos quais este/a é livre de optar.