top of page

Habemus Padrão


Percorremos as ruas desta cidade, estreitas, acanhadas, tão luminosas quanto, por vezes, sombrias. Há espaços para vivências, para sobrevivências. Para egos, nem tanto. Só muito poucos cabiam e aqui tinham lugar.


Na Rua Nova dos Mercadores, a da baixa e não a da recente freguesia do Parque das Nações em Lisboa (ainda que evocativa da primeira), ilustra e amplifica, de alguma maneira, a dimensão da diversidade da cidade, cosmopolita desde tempos ainda mais antigos. O Paço da Ribeira, que desde início de quinhentos beija o Tejo, é descoberto até por olhares distraídos ou turvos. É o crescimento da urbe junto ao rio, ao longo da sua foz.


Dois séculos e meio depois, ainda se escutavam os ecos das primeiras récitas do novo teatro de ópera, o Tejo, que suscitou a expansão de uma nova Lisboa, com as suas águas em fúria acabou por ditar parte da destruição da cidade. Água e fogo determinaram o colapso da urbe de feição medieval e a concepção de uma cidade iluminista, de ruas largas e geométricas. Um urbanismo e uma arquitectura de um pragmatismo que se impunha. Impressionou Voltaire, que escreveu o “Poema sobre o Desastre de Lisboa” (1756), e a Europa do seu tempo. Depois da tragédia as Luzes iluminaram os novos tempos e também geraram novas sombras.

Não desejo que uma catástrofe seja vista como algo luminoso, mas devemos ter presente que uma situação com aquela natureza e escala acabou por determinar, com engenho e arte, novas oportunidades e dinâmicas. A História está recheada de linhas de ruptura. Também o está de continuidades, não isentas de tensão entre ambas. Aliás, a História é muito feita dessa tensão, muita da sua essência assenta nos avanços e recuos desse processo. A cidade de Lisboa não é excepção à História, apesar da sua singularidade.


Assim sucede com múltiplas instituições. É tão redutor quanto erróneo circunscrever a Igreja Católica à Inquisição, quanto o é em relação ao movimento que se convencionou chamar de Descobrimentos (evitei o termo epopeia para não dar margem às críticas de que estou a romancear aquela época) e à escravatura. Ambas são realidades históricas, inclusivamente a escravatura, infelizmente, ainda tem formas contemporâneas, mas as instituições ou movimentos não se esgotam nesses flagelos.


Urge uma apreciação abrangente, ponderada e informada, que não veja uma catástrofe natural como um castigo divino, nem uma dinâmica universal, a primeira grande globalização, como algo essencialmente nocivo e opressor. Deixemo-nos, de uma vez por todas, de maniqueísmos. A realidade, passada e presente, é mais complexa e plural. Não assumir isso é alinhar, de forma consciente ou inconsciente, em populismos e radicalismos. Temos de reconhecer, sob a forma de pergunta, quais foram os tempos que não o foram de fanatismo ou radicalismo, seja político, religioso, antropológico ou social? Com efeito é muito difícil, para não dizer impossível, identificar alguma época que seja eminentemente moderada e pacífica. Ambicionamos que o seja, mas até ver não aconteceu. Continuaremos a remar (ou velejar se preferirem) nesse sentido.


Para isso o valor, significado e papel do Património Cultural, na sua noção atual e abrangente, é fundamental. A construção desta nova dimensão é precisamente o inverso da realidade histórica constatada. O conciliar, tendencialmente preferencial, de épocas, estilos, vestígios (materiais e imateriais) é, entre outras coisas, uma excelente metáfora da vivência da herança cultural. O diálogo entre testemunhos de várias épocas, que dão unidade e consistência a um monumento ou conjunto por exemplo, ilustra bem o que representa em termos de coesão e valorização da diferença e do diverso, de pontes entre passado e presente. Falar de Património Cultural é falar de Nós, de Nós e do Outro. Do ser humano, de seres humanos.


Não é viável conservar tudo, como não é admissível tolerar tudo. Não quero cair nas já banalizadas “linhas vermelhas”, mas certo é que devem existir fronteiras, mesmo que ténues por vezes. Se o bom senso e a razoabilidade são qualificações subjectivas, os Direitos Humanos são bem claros. Salvaguardar o Património Cultural é respeitar o direito à Liberdade, à Equidade, à Diversidade Cultural, ao acesso à Cultura e à Educação, à Identidade e à Memória. O Património Cultural foi (ainda é) alvo de manipulações políticas, sobretudo em regimes ditatoriais, mas também em democracias. Como é conhecido, Winston Churchill afirmou que este “é o pior dos regimes, à excepção de todos os outros". Não há regimes perfeitos, mas há uns mais imperfeitos do que outros. Adiante.


Refiro, de passagem, o exemplo do trabalho desenvolvido pelo Museu de Lisboa https://www.museudelisboa.pt/pt, mas procurarei focar a atenção no Padrão dos Descobrimentos. O Museu de Lisboa através de exposições temporárias como “Convivência(s). Lisboa Plural. 1147-1910” (2019) ou dos seus percursos temáticos sobre a presença africana ou a escravatura, ou ainda sobre a Lisboa muçulmana ou judaica tem contribuído para essa missão cultural.


O Padrão dos Descobrimentos https://padraodosdescobrimentos.pt, por seu turno, também de gestão municipal, tem conseguido afirmar-se, apesar dos ataques verbais e ações de vandalismo de que foi sendo alvo, enquanto espaço eminentemente cultural. Para além de um monumento (em processo de classificação) e de disponibilizar um miradouro fantástico sobre a cidade e o rio tem, e bem, apostado numa linha de exposições temporárias que dão corpo a uma missão cultural que passa por, desde logo, e dada a sua conceção e construção ter origem no Estado Novo, desmistificar com desassombro esse período da História de Portugal, mas também de outros, nomeadamente a época dos Descobrimentos, e os vários períodos coloniais que daí decorreram.


A juntar à desmistificação e ao desassombro uma abordagem rigorosa e científica, que é como os temas de historiografia devem ser tratados, podendo assim ter uma utilidade pedagógica, didática e informativa, que suscite reflexão, debate, uma cidadania participativa e mitigue a desinformação, os radicalismos, o populismo, o racismo, a xenofobia, a segregação e promova a coesão, a inclusão e o desenvolvimento sustentável.


Travar este combate, pela paz e em paz, uma paz social no imediato, é um imperativo de espaços culturais como o Padrão dos Descobrimentos. Só pela Cultura e por iniciativas de natureza cultural poderá não ser suficiente para um caminho de sucesso, mas é imprescindível para o sucesso que o caminho se faça também pela Cultura. Não poderá ser de outra forma. Assim queiramos e saibamos construir uma Democracia Cultural e uma sociedade civilizada. Com liberdade feliz e felicidade livre.


Padrão dos Descobrimentos. Créditos- André de Soure Dores @andredesoure


Opmerkingen


bottom of page