Buscar

A obra magnânima a Património Mundial


“Será o reconhecimento da importância deste complexo monástico-real não só em Portugal, como no contexto europeu” Isabel Oliveira, técnica superior do Palácio

Nacional de Mafra, DESCLA – Desporto, Cultura e Lazer

Em 2017, passados 300 anos do lançamento da primeira pedra, foi celebrada a candidatura do Real Edifício de Mafra a Património Mundial. Esta candidatura integra o conjunto do Real Edifício (palácio, convento e basílica), Jardim do Cerco e a Tapada, limitada por cerca de vinte e um quilómetros de muro. Na candidatura são destacados a biblioteca, as esculturas e pinturas de mestres italianos e portugueses, os seis órgãos e dois carrilhões com 119 sinos. São mais de 1000 páginas sob a coordenação da vereadora da Cultura de Mafra, Célia Fernandes e com a colaboração do arquiteto Luís Pinho Lopes, da DGPC na qual são apresentados os argumentos que permitirão, assim esperamos, elevar este conjunto a Património Mundial.

Fontes: DESCLA – Desporto, Cultura e Lazer, RFM, Jornal de Mafra, Público


BIENAL AR&PA 2019

OPINIÃO

1/16

Conteúdos redigidos de acordo com a antiga ortografia, excepto no caso de artigos de autor, nos quais este/a é livre de optar.