Buscar

“Somos o que Comemos” na Parques de Sintra a partir do próximo domingo


Monumentos da Parques de Sintra recebem entre os meses de Junho e Outubro workshops, tertúlias, visitas temáticas e actividades educativas dedicadas ao património alimentar de Sintra.

A Parques de Sintra junta-se, em 2018, às comemorações do Ano Europeu do Património Cultural com uma programação especificamente criada para o efeito. “Somos o que Comemos” é a celebração do património alimentar de Sintra, que irá percorrer os vários parques e monumentos históricos geridos pela Parques de Sintra e trazer a estes lugares diversas acções e personalidades, cruzando a história da vila à sua riqueza gastronómica.

De Junho a Outubro, poderá participar numa vasta programação que inclui workshops – com a presença, entre outros, dos chefes Vítor Sobral, Justa Nobre, Kiko Martins e Marlene Vieira –, tertúlias, um concurso, uma conferência internacional, oficinas lúdicas para toda a família e ainda actividades educativas para os mais novos.

Mesa Romântica” é o primeiro workshop do evento, e terá lugar já no próximo domingo, dia 3 de Junho: será no Chalet da Condessa d’Edla que a chefe Marlene Vieira reinventará os sabores românticos inspirados pelo Chalet da Condessa, no Parque da Pena. Receitas históricas do séc. XIX recriadas nos nossos dias, neste cenário de fábula imaginado pelo rei Consorte D. Fernando II e pela sua segunda mulher Elise Hensler, conhecida por Condessa D’Edla. Antes do workshop, poderá conhecer, numa visita guiada especial, os segredos dos hábitos alimentares românticos.

No dia 1 de Julho é o Chefe Vítor Sobral a conduzir o workshop “Frugalidade na mesa dos Capuchos”, no Convento dos Capuchos enquanto a Chefe Justa Nobre irá orientar o workshop “Onde o Saloio e o exótico se sentam à mesa”, no dia 30 de Setembro, no Chalet da Condessa d’Edla. No dia 2 de Setembro, o Palácio de Monserrate irá receber o Chefe Kiko Martins para o workshop “Diferentes Culturas, Diferentes Sabores”.

Aos domingos, poderá juntar-se a especialistas e amadores para debater, de forma aberta e informal, temas gastronómicos da região Sintrense nas Tertúlias. Conduzidas por especialistas, estas irão focar-se no tema da alimentação e de Sintra: a sua história, evolução e formas de sustentabilidade, tanto nos dias de hoje, como no futuro. Todas as tertúlias são complementadas com uma visita guiada ao monumento e/ou jardim onde se realizam, sempre na perspectiva da história da alimentação daquele local: Palácio Nacional de Sintra, Castelo dos Mouros, Convento dos Capuchos, Palácio Nacional de Queluz, Chalet da Condessa d’Edla e Palácio de Monserrate.

Pode ainda aproveitar o “Somos o que Comemos” para realizar Visitas Temáticas nos monumentos de Sintra, sempre com o mote do património alimentar: o quê e como se comia nos opulentos palácios ou no humilde Convento dos Capuchos? Que espécies se cultivavam nas hortas? O que se podia degustar pelos jardins e confecionar nas cozinhas? Parque e Palácio da Pena, Parque e Palácio de Monserrate, Quintinha de Monserrate e Convento dos Capuchos recebem estas visitas,

Durante os dias 19 de 20 de Outubro, o auditório do Palácio Nacional de Queluz recebe uma Conferência Internacional que contará com especialistas de áreas tão diversas como a agricultura, a tecnologia, a gastronomia, a educação, a nutrição e outras, para debater o que se faz hoje, e o que se poderá fazer amanhã, por uma alimentação melhor e mais sustentável, para todos.

A participação é gratuita, com inscrição prévia obrigatória e limitada à lotação da sala.

Pode ainda participar no concurso “A Minha Receita é que é!”, apresentando uma receita de família ou uma receita fantástica que utilize alimentos tradicionais da região de Sintra, concurso celebrado em formato de Festim aberto, no último dia do evento, 21 de Outubro.

Saiba mais sobre o “Somos o que comemos” aqui.

#PATRIMÓNIO #PATRIMÓNIOALIMENTAR #GASTRONOMIA #CULINÁRIA #RECEITAS #SINTRA #VISITASTEMÁTICA #WORKSHOP #CONFERÊNCIAS #TERTÚLIAS

BIENAL AR&PA 2019

OPINIÃO

1/15

Conteúdos redigidos de acordo com a antiga ortografia, excepto no caso de artigos de autor, nos quais este/a é livre de optar.