Buscar

Sistemas Construtivos Tradicionais Modestos em Perigo


Edificações, conjuntos arquitetônicos, áreas urbanas protegidas ou com potencial de salvaguarda são compostas por manifestações que variam de representatividades excepcionais até modestas/contextuais. Este universo é fisicamente estruturado por diversos tipos de sistemas construtivos considerados pela literatura especializada de conservação como verdadeiros testemunhos do saber fazer e do desenvolvimento científico de épocas distintas, além das funções técnicas que ainda desempenham nos respectivos domínios edilícios.

Nos casos de bens de notáveis méritos artísticos e históricos brasileiros os procedimentos usuais recomendados pelo campo do saber da conservação são satisfatoriamente adotados. Entretanto, no âmbito contextual, nos aglomerados de edificações singelas, a integridade e autenticidade desta valiosa herança cultural vêm sendo sistematicamente desconsideradas nas políticas de conservação em geral. Mesmo nos Patrimônios Culturais da Humanidade listados pela UNESCO (nas World Heritage Cities), nos bens culturais nacionais (nas rotuladas “Cidades Históricas”), e de maneira especial nas Áreas de Proteção do Ambiente Cultural (APACs) e de instrumentos análogos criados pelas autoridades locais, conforme abordado no artigo “O contexto da proteção do patrimônio cultural brasileiro” disponível aqui mesmo no Patrimonio.PT, nesta coluna.

Na cidade do Rio de Janeiro esta situação se evidencia no conjunto arquitetônico das 27 APACs que juntas possuem algo em torno de 13.100 edificações modestas/contextuais majoritariamente enquadradas como de valor de conjunto pelas categorias de proteção enfatizadas. Dentro deste grupamento, destacam-se as cerca de seis mil edificações das APACs centrais, que formam o maior conjunto contextual da virada dos séculos XIX para XX, do Período Eclético, os sobrados (figura 01), de acordo com o artigo anterior, “Centro da Cidade do Rio de Janeiro. Património Cultural Nacional e Paisagem Cultural da Humanidade?”.

Figura 01: Sobrado da Rua Sete de Setembro, 195, Centro. Projeto original, 1912. Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro.

Digitalizado por Caroline Dazzi Machado, 2015.

Figura 01: Sobrado da Rua Sete de Setembro, 195, Centro. Projeto original, 1912. Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro.

Digitalizado por Caroline Dazzi Machado, 2015.

Os sistemas construtivos destes sobrados vinculam-se a importantes transformações sociais e tecnológicas do período comentado. São partes que se sobressaem na totalidade que forma o Patrimônio Cultural Brasileiro. Verdadeiros documentos que testemunham a gradativa estandardização e industrialização (produção em série) das técnicas construtivas na esfera internacional, das relações comercias globais da época (figura 02), das mudanças de padrões de qualificação da mão de obra da construção civil (dos escravos aos imigrantes), de hábitos, de costumes e das legislações edilícias que moldaram o panorama urbano do Brasil neste momento, especialmente dos principais centros urbanos, sobretudo do Rio de Janeiro, capital do pais na ocasião. A maioria dos elementos arquitetônicos deste legado (acabamentos, alvenarias, cantarias, tramas estruturais, ornamentações, esquadrias, serralherias, esquemas de ventilação, de iluminação, de distribuição de fluxos, etc.) ainda desempenham funções estéticas, funcionais e técnicas nestes sobrados. Porém, parte significativa deles correm riscos eminentes de descaraterizações irreversíveis.

Figura 02: Catálogo da MacFarlane, de Glasgow, Escócia, Reino Unido, c. 1900. Principal exportador de serralheria (ferro fundido) para o Brasil na virada dos séculos XIX para o XX. Fotografado por Julio Sampaio do original em Edimburgo, Escócia, 1989.

As ameaças contra este patrimônio antecedem às medidas de proteção. Começam com as transformações de usos ocasionadas pelo deslocamento de moradores do Centro para outras partes da cidade ao longo do século XX. Nas conversões das antigas unidades residenciais dos andares superiores em áreas de prestação de serviços e/ou de estocagem dos estabelecimentos comercias dos pavimentos térreos. Numa escala menor de alterações, também, nas modificações da paginação original das fachadas das lojas e das coberturas. Tudo isso justificado pelos usuários por conta dos novos paradigmas comercias e arquitetônicos questionáveis em muitos aspectos morfológicos e funcionais.

A partir da proteção, da criação do Corredor Cultural em 1979, reverteu-se consideravelmente as descaracterizações observadas anteriormente com resultados bastante aceitáveis, apesar das desconsiderações frequentes da utilização prioritária das técnicas construtivas originais segundo recomendação dos parâmetros básicos da conservação. Entretanto, a aplicação indiscriminada de critérios de preservação fachadistas e “coberturistas” nestas APACs (atualmente rotulados como retrofit) desconsiderou a presença de interiores ainda íntegros, alguns deles passíveis de salvaguarda, ao longo dos 36 anos de existência deste instrumento de proteção. Além disso, perduram várias edificações descaracterizadas (porém recuperáveis) e em mau estado de conservação afetadas principalmente pelo persistente processo de subutilização do centro da cidade.

Os interiores caracterizados que sobreviveram às ações desta trajetória congregam grande parte dos sistemas construtivos listados acima. A cada dia que passa tornam-se minoritários no universo do conjunto arquitetônico em destaque. Encontram-se desta forma significativamente vulneráveis em função dos critérios de conservação citados ainda em vigor. Portanto, torna-se imprescindível a realização de um levantamento (inventário arquitetônico) para se listar os casos remanescentes e se avaliar a pertinência da proteção deles. A partir daí, recomenda-se a elaboração de estudos detalhados das especificidades técnicas dos modelos construtivos destes sobrados considerando todas as partes das composições arquitetônicas (fachadas, coberturas e dos interiores) com os objetivos de se proporcionar a revisão do grau de proteção vigente e o aprimoramento da literatura de tecnologia de conservação que respaldará a perpetuação deste valioso conjunto arquitetônico.

Figura 03: Parte do conjunto de exemplares de construção civil da Biblioteca de Instrução Profissional.

Fotos dos originais por Julio Sampaio, 2015.

As referências disponíveis não dão conta da complexidade destas particularidades apontadas. Algumas delas, mais precisamente de Pedro (1981) e Dora Alcântara (1984), sugerem que este conjunto de conhecimentos construtivos era manipulado por artífices e mestres de obras portugueses que dominavam o cenário da construção destas edificações baseando-se consideravelmente em manuais de ofícios. Sendo assim, este autor (2003) indica a investigação da influência dos 13 volumes de construção civil da Biblioteca de Instrução Profissional lançada simultaneamente no Brasil e em Portugal pela Livraria Bertrand, de Lisboa, na definição das tipologias construtivas destes sobrados. Esta proposta fundamenta-se na grande aceitação destas publicações nestes países conforme citado nos prefácios de vários exemplares deles e no número expressivo de sucessivas edições revistas e ampliadas (figura 03). Os resultados de todas estas iniciativas beneficiarão as ações para se eternizar este saber fazer em geral, nas intervenções de todos os tipos, dentro e fora dos domínios da conservação.

Figura 03: Parte do conjunto de exemplares de construção civil da Biblioteca de Instrução Profissional.

Fotos dos originais por Julio Sampaio, 2015.

Referências:

ALCÂNTARA, Dora. Praça XV e imediações. Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (n 20), pp. 114-120, 1984.

ALCÂNTARA, Pedro. Estudo arquitetônico - SAARA, Rio de Janeiro: s. ed, 1981.

SAMPAIO, Julio Cesar Ribeiro. A influência dos Manuais de Ofício na composição arquitetônica dos Sobrados Cariocas do final do século XIX e início do XX. 2003. Projeto de pesquisa. Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnologico/CNPq. Rio de Janeiro.

#ARQUITECTURA #RIODEJANEIRO #CONSERVAÇÃOERESTAURO

BIENAL AR&PA 2019

OPINIÃO

1/16

Conteúdos redigidos de acordo com a antiga ortografia, excepto no caso de artigos de autor, nos quais este/a é livre de optar.