BIENAL AR&PA 2019

OPINIÃO

1/15

A actualidade do património cultural em Portugal

Um projecto

© 2020 Spira

Conteúdos redigidos de acordo com a antiga ortografia excepto no caso de artigos de autor, nos quais este/a é livre de optar.

Buscar

Beja vista pelo Nascente no final do século XIX


À primeira vista desta imagem, o que fica na retina é pouco mais que uma cidade, campos de cultivo e uma estrada. Parece, assim, uma foto banal, mesmo que antiga. Mas, na verdade, não é. Datamos esta foto entre 1895 e 1897/98 e, assim, é uma das mais antigas fotos da cidade, dando-nos, para mais, grandes informações sobre todo o lado nascente.

Na silhueta da cidade podemos ver, da esquerda para a direita: As árvores da cerca do extinto convento de São Francisco e a torre do sino, sem sino. Em seguida, um dos elementos mais marcantes e que ajuda a datar a foto: as ruínas do antigo convento da Esperança, aqui claramente visíveis. Sendo o convento extinto em 1897, pouco tempo depois começou a sua demolição. Do que está à vista poderemos ainda discernir um pouco da muralha? À sua direita, o Paço Episcopal, actual quartel da GNR e, pasme-se, sem janelas no lado sul. À direita e em baixo, o Calvário, demolido por volta de 1921, perto da igreja do Pé-da-Cruz. À esquerda destes elementos e à mesma altura, vemos o Bairro das Alcaçarias, com as suas pequenas casas, parecendo um bairro operário, numa aparência que é também pouco conhecida.

Voltando à linha cimeira, depois da igreja do Salvador, vemos o convento da Conceição, cuja maior parte das obras de demolição havia já sido concluída. O Paço dos Infantes já não se vê, mas lá estão os telhados do mercado, construção de 1895. Está também a cúpula da igreja de São João, demolida em 1919. Mais à direita a Torrinha e a igreja de Santa Maria e, abaixo desta, com grande impacto sobre a paisagem, o Edifício da Casa Pia.

Na silhueta da cidade destacam-se ainda o edifício dos Paços do Concelho, inaugurado em 1881 (devastado por incêndio em 1947) e a torre de menagem do castelo, à qual faltavam ainda os embelezamentos que lhe daria a Direcção dos Edifícios e Monumentos Nacionais, décadas mais tarde.

A foto tem ainda longas histórias para contar, com base o que ainda se vê e ainda não se vê, sobretudo a parte dos Lagares, o caminho-de-ferro e a zona “industrial”. Na nossa breve análise, resta-nos voltar ao lugar onde começámos esta visita a uma Beja desaparecida: a estrada sinuosa que hoje conduz a Serpa. Nela, entre as árvores, se vê uma ponte e, junto a ela, o já desaparecido poço dos Frangos.

Fotografia proveniente do Arquivo Municipal de Beja - Câmara Municipal de Beja

Autor - Não identificado Data - [1895-98] Tema - Fotografias Panorâmicas da Cidade Espólio - Fundo Antigo da Câmara Municipal de Beja Cota - AFCMB/NV/01/I/CX1 Número - I8

Marta Páscoa de Pimentel Teixeira

#MONUMENTOS #BEJA