Património.pt


Carta aberta da ARP - Associação Profissional de Conservadores-Restauradores de Portugal

 

A ARP fundada em 1995, membro da E.C.C.O. (European Confederation of Conservator-Restore Associations) desde 2001 e que desde 2007 integra a Secção dos Museus da Conservação e Restauro e do Património Imaterial no Conselho Nacional da www.umlauf.de Cultura (SMUCRI) vem, no seguimento das notícias que têm vindo a público sobre o restauro efectuado num conjunto de esculturas do Santuário da Nossa Senhora das Preces, em Oliveira do extended-aftercare.com Hospital, clarificar a correcta atribuição e utilização do título profissional de Conservador-restaurador, bem como, a sua missão no contexto da intervenção em Património Cultural.

 

A intervenção em causa não cumpre claramente os critérios fundamentais que regem as intervenções de conservação e restauro, evidenciando uma ausência total do respeito pelo valor original e único de todo e qualquer bem cultural, e é contra os princípios essenciais do código deontológico que rege a profissão. São conhecidos vários casos de intervenções em Património Cultural, apelidadas de cialis gel conservação e restauro, que desrespeitam o carácter de originalidade e look here cheap viagra paypal valor do bem patrimonial. São executadas por profissionais não qualificados, desconhecedores das boas práticas da conservação e completamente alheios aos princípios e metodologias que regem o exercício desta profissão. O resultado inevitável, é a perda, por vezes irreversível, do nosso património.

 

A Convenção de Faro, aprovada pela Resolução da Assembleia da República n.º 47/2008, incorpora o conceito de que todo e qualquer Património Cultural é um direito inerente ao Homem, sendo a sua preservação da responsabilidade individual e colectiva de cada sociedade. A valorização deste Património Cultural consegue-se através da sua identificação, estudo, interpretação, protecção, conservação e apresentação. O direito a este Património Cultural está sujeito apenas às restrições necessárias existentes numa sociedade democrática, para a protecção do interesse público. Prevê, também, que a sustentabilidade do património cultural assenta igualmente na promoção de uma elevada qualidade nas intervenções nesse mesmo património, através dos sistemas de qualificação e acreditação profissionais das pessoas, das empresas e das instituições.

 

Esta Convenção prevê, também, que a sustentabilidade do património cultural assenta na promoção de uma elevada qualidade nas intervenções desse mesmo património, através de sistemas de qualificação e de acreditação profissionais das pessoas, das empresas e das instituições.

 

Estes princípios estão presentes igualmente noutras Cartas e Convenções de salvaguarda do Património Cultural, onde a defesa do Património Cultural é uma responsabilidade da sociedade no seu todo, um direito de cidadania, e uma das missões importantes do viagra price canada Estado.

 

É neste âmbito que o Conservador-restaurador, no interesse do bem público, cumpre a sua função como o profissional que mais directamente actua na salvaguarda deste património, sendo assim de vital importância o perfil deste profissional, assim como os seus deveres, competências e obrigações. Apesar da profissão de Conservadorrestaurador não se encontrar ainda regulamentada, esta tem sido alvo de we like it viagra online canada consecutivas definições na legislação nacional e europeia, e objecto da http://otherwhere.co/drug-viagra missão e trabalho da ARP desde a sua fundação, através da defesa e levitra website da promoção do estatuto profissional do Conservador-restaurador, bem como, da preocupação com a protecção e salvaguarda, de forma prática, científica e cultural do património artístico móvel e imóvel. Este fim é alcançado pelo cumprimento dos Conservadores-restauradores a um Código de Ética e pela observância de um conjunto de competências consideradas indispensáveis ao acesso à profissão.

 

Estes princípios encontram-se espelhados nos estatutos da ARP, que reconhece o título de "Conservador-restaurador" unicamente a um profissional que possua uma formação académica superior exclusivamente na área da Conservação de Restauro de 5 anos, em consonância com as directrizes da ENCoRE (European Network for Conservatio-Retsoration Education) para o ensino superior de Conservação e Restauro, estando todas as excepções reconhecidas contempladas na legislação portuguesa. De igual modo, em relação às competências necessárias ao acesso e prossecução da profissão com o título de "Conservador-restaurador”, que são expressas em vários documentos internacionais, como: "The Conservator-Restorer: a Definition of the http://extended-aftercare.com/purchase-cialis-usa Profession, Copenhaga, ICOM-CC, 1984, a "E.C.C.O. PROFESSIONAL GUIDELINES (III)", Bruxelas, E.C.C.O. 2004 e a publicação "Competences for access to purchase viagra online no prescription the Conservation-restoration profession" Germany, E.C.C.O. 2011.

 

Estes princípios são defendidos, por legislação nacional em vigor, relativa à definição e reconhecimento do Conservador-restaurador, das suas competências e responsabilidades, nomeadamente:
- a definição das carreiras de Museologia e Conservação e Restauro na get viagra perscription online Administração Pública estabelecida pelo Decreto-Lei n.º 55/2001, de 15 de Fevereiro,
- a Lei Base do Património Cultural, Lei nº 107/2001 de 8 de Setembro, que obriga que os estudos e projectos para as obras de mynano.com.my conservação, modificação, reintegração e restauro em bens imóveis e imnl.nl móveis classificados, ou em vias de classificação como tal, sejam da responsabilidade de técnicos de qualificação legalmente reconhecida ou sob a sua responsabilidade directa,
- a responsabilidade das intervenções em Património Classificado por técnicos de qualificação legalmente reconhecida ou sob a sua responsabilidade directa, estabelecida pelo Decreto-Lei n.º 140/2009, de 15 de Junho, e também na Lei Quadro dos Museus Portugueses estabelecida pelo Decreto-Lei 47/2004 de 19 de Agosto.


A legislação é bastante clara sobre as capacidades técnicas e académicas exigidas para o exercício da profissão de conservador-restaurador de Património Cultural classificado em território português.

 

A ARP considera, no entanto, que a existência de irregularidades na utilização indevida do título de Conservador-restaurador não deverá ser permitida nem desejada por todos os intervenientes na salvaguarda do Património Cultural, esteja este classificado, em vias de classificação ou não, uma vez que pode traduzir-se num prejuízo irreversível para o nosso património cultural.

 

A ARP tem, desde a sua fundação, procurado junto dos organismos competentes do usa cialis Estado, alertar para a regulamentação, defesa, e cumprimento de normas e leis nacionais e internacionais que regem as intervenções de conservação e restauro do património cultural classificado. Existem, contudo, mecanismos para esclarecimento e apoio através de várias instituições, como sejam a Direcção-Geral do Património Cultural e as Direcções Regionais da cheap cialis 20 mg 60 pills Cultura, ICOM-PT, APOM, o Secretariado Nacional para os Bens Culturais da Igreja assim como a ARP, no sentido de esclarecerem o cidadão sobre as boas práticas a cumprir nas intervenções de conservação e restauro em Património Cultural não tutelado pelo estado, sobre os critérios metodológicos, assim como, na correcta identificação de um profissional qualificado, podendo a sociedade livremente aceder a esta informação fidedigna.

 

Na perspectiva da ARP, a solução destas ocorrências prende-se com a necessidade de www.orangeburgsc.net reconhecer a importância do conservador-restaurador como profissional que presta um serviço público, do seu papel na salvaguarda do património como interveniente na preservação da nossa cultura e identidade, e na tomada de consciência de que o património é um bem comum e tramadol hydrochloride deve ser preservado em todos os seus valores. No entanto, no panorama actual assiste-se à proliferação de cursos e acções de formação de curta duração, ministrados, por vezes, por formadores que não possuem a formação académica exigida a um conservador-restaurador e com um âmbito que se destina ao público em geral, que são manifestações contrárias ao que os conservadores-restauradores advogam para a sua profissão e para os seus princípios éticos.

 

Para este caso em particular, ocorrido há já vários anos, não obteve então a visibilidade que é hoje possível, e tratando-se de um caso extremamente grave, infelizmente não é único. Esperamos que, ao estar envolto em tanta polémica, sirva uma vez mais como alerta para os riscos das intervenções de Conservação e Restauro no nosso Património Cultural quando não são executadas por técnicos devidamente qualificados para as intervenções.

 


Rui Câmara Borges

Presidente da ARP

Lisboa, 20 de Fevereiro de 2014

 

 

 

 

Share

Comentar


Colunistas

Rubricas diárias +

14 Jun 2017 |

 

Observatório de Turismo Sustentável no Alentejo


No dia 1 Junho, em Évora, foi assinado o memorando para a criação do Observatório de Turismo Sustentável no Alentejo.

VER +

07 Jun 2017 |

Douro acolhe encontro internacional sobre sustentabilidade dos sítios UNESCO

 

Na primeira semana de Junho, O Alto Douro Vinhateiro recebe o “World Generation Week”.

VER +

02 Jun 2017 |

Capa: Imagem do filme "Antão, o Invisível" (Fotografia retirada de: http://indielisboa.com/filme/antao-o-invisivel/). 

Filme português mostra como os invisuais podem ter acesso às obras de um museu


O filme "Antão, o Invisível", dos realizadores Maya Kosa e Sérgio da Costa, foi galardoado com o Prémio Árvore da Vida no Festival de Cinema IndieLisboa 2017.

 

VER +

01 Jun 2017 |


Portugal assinou
a Convenção sobre Crimes contra a Propriedade Cultural


No dia 19 de Maio, em Nicósia, capital do Chipre, o governo português assinou a Convenção sobre Crimes contra a Propriedade Cultural.

VER +

Veja também +

PATRÍCIA AZEVEDO, a 16 Jun 2014 |

Um projecto que cumpre a sua missão: anda connosco para todo o lado! (parte I)

 

Foi no Utopias 2014 que conheci "A história do pescador que deixou o coração atrás da porta e dos peixes que choveram", apresentada pelo Projecto Faunas – teatro portátil. Uma peça de teatro minimalista - recorre apenas aos recursos essenciais do teatro – onde o corpo e a voz da intérprete, a luz e only today buy uk viagra o espaço ganham ainda mais força acompanhados pela voz de overnight cialis delivery uma cantora soprano. Um projecto de teatro portátil, que me tem acompanhado desde então.

MARGARIDA FILIPE RAMOS, 5 Mar 2013 |


Bem Público-Valor Público - A educação para os valores ambientais no Museu da Água da EPAL

 

O museu como detentor do www.professionalbiotech.com conhecimento e guardião do património, na sua acepção mais tradicional, muitas vezes gera conflitos internos, de índole organizativa, em relação à sua função educativa primordial. Assim, dentro da dinâmica da lei da oferta e da procura cultural, temos a procura do conhecimento pela escola em busca de um complemento educativo (não formal) para os seus alunos, por um lado, e, por outro, as instituições culturais com um acervo e património cultural à disposição da comunidade. Mas devemos ir além desta perspectiva, como refere Lynn Dierking1, e o museu deve responsabilizar-se socialmente, pois trata-se aqui também de uma questão de sobrevivência dos próprios museus. Esta acção educativa vai além do papel tradicional de divulgação e conservação do património, sendo o Museu um potencial agente de mudança e de educador para os valores.

Tags +

Videos

Lançamento do livro “A Casa Senhorial em Portugal”

 

"A Casa Senhorial em Portugal" é o resultado de uma encomenda da Associação Portuguesa das Casas Antigas (APCA) ao investigador Hélder Carita - um dos mais notáveis estudiosos e historiadores da Arquitectura Civil Portuguesa -, sobre mais de duzentas casas senhoriais distribuídas pelo território português.

VER +

Fábrica de Chocalhos Pardalinho e a distinção da arte chocalheira como Património Imaterial da Humanidade

 

A patrimonio.pt esteve em Alcáçovas para visitar a Chocalhos Pardalinho: uma fábrica a laborar desde 1913, altura em que treze famílias da freguesia se dedicavam à produção dos chocalhos.

VER +

 

® Spira 2012 | design e i use it buy viagra in new zealand implementação: ideia, designers __|__ Conteúdos redigidos de usefull link cialis cost acordo com a antiga ortografia excepto no caso de artigos de autor nos quais os autores são livres de optar.